16/09/2011

Você é o bagaço ou o suco da laranja?



             Tenho lido muito a respeito de separações e como isso tem sido "libertador" para muita gente.
             Tenho lido e ouvido muita gente dizer: "Meu casamento deu certo, já que eu consegui ficar 10 (ou 15 ou 20 ou 25 ou apenas 1 ano) casado(a) e isso já é uma vitoria" (sic!!!!!!!).
             Vitoria de quem, cara pálida?
             Dos tabeliãos que faturam 2 vezes, uma quando o casamento é feito e a outra quando é desfeito?
             Dos corretores de imoveis, que alugam e/ou vendem 2 imoveis novos a cada separação?
             Das empresas de mudança ou dos carreteiros que fazem 2 mudanças?

             Falando serio, qual é o saldo positivo de um casamento desfeito?
             E quando exitem frutos, os filhos, quem é que, de verdade, pensa neles?
             Filhos aprendem no dia a dia, observando os pais e não adianta ensinar uma coisa e viver outra, porque o que seus filhos vão acabar reproduzindo são as atitudes e escolhas que você fez e não o que você disse.

             Não me leve à mal. Não sou contra o divorcio, eu mesma sou divorciada.
             Mas a situação da minha mãe e irmã, também divorciadas, e de outras pessoas que terminaram alguns relacionamentos me levou a pensar e analisar comportamentos, inclusive e principalmente, o meu.

             O que me leva à pergunta título deste post:

             Você é o bagaço ou o suco da laranja?

             Sempre detestei esta historia de "cara-metade", de "metade da laranja".
             Nunca ouvi dizer que uma mulher ficou meio grávida ou que nasceu meio bebê.
             Alias, p'rá ser sincera, já ouvi falar de meios bebês, sim, mas eles não tiveram uma chance de vida.

            Então por que "metade da laranja"?
            E é exatamente quando estamos nos consolidando como individuos, quando já vivemos todas as experiencias junto às nossas familias e estamos começando a descobrir o mundo e as suas possibilidades, e também o nosso poder e direito de escolha, que começam a nos vender uma ideia absolutamente falsa de que somos metades à procura de alguém que nos complete.
           E se eu nunca encontrar este alguém, como é que eu fico? Como uma cadeira que só tem 2 pernas, que só serve para lenha?
           E, pior, se eu encontrar a minha "metade da laranja" (ai, meus sais, por favor!!!!!!!!!!!) e não reconhecê-lo(a), como é que eu vou passar o resto da minha vida?

           Vamos passar para a matemática, de leve, que eu não sou expert.

           Quando vamos alugar uma casa ou comprar ou quando vamos fazer uma prestação, logo ouvimos que não podemos comprometer mais do 30% do nosso orçamento.
           O governo leva outros 30% do nosso salario (ou mais, se contarmos os impostos indiretos).
           No "barato", fazendo contas superficiais, ficamos com apenas 40% do que ganhamos para administrar alimentação, higiene, saude, transporte e lazer.
           Já é difícil quando somos só nós, imagine uma familia.

           Agora vamos tentar transpor estes dados para o nosso eu.
           30% de nós mesmos deveremos investir em valores a longo prazo, em nossa formação, em nossos sonhos.
           30% a vida cobra de nós, a vida simplesmente leva. Como e para onde ela leva?
           Bom, para onde eu te respondo se você me responder (e provar) para onde os políticos levam nossos impostos.
           Ai sobra, para você investir em teu relacionamento, apenas 40%.

           Aí eu te pergunto:

          Quanto é 40% de metade? É o bagaço ou é o suco?
          E se você está oferecendo o teu melhor, o teu "suco", você pode ter a certeza de que vai receber o mesmo? E se não receber, você tem o direito de cobrar, já que você não foi forçado(a) a nada?

          Dizem os economistas, e os órgãos de proteção ao crédito e os cartorios de protesto comprovam, que se você faz investimentos sem analisar muito bem os riscos, o custo-beneficio, corremos um risco altíssimo de inadimplencia e até de abrir falencia.

            Então, por que somos tão levianos ao investir em nosso relacionamentos, e o que é pior, em nós mesmos? 
            O risco de "inadimplencia" e até de "falencia emocional" é altíssimo.
            O risco de uma linda historia de amor acabar em um tribunal ou em um cemiterio, o que está cada vez mais comum, é grande demais para continuarmos a comprar esta historia de que somos "metade".

           E tudo começa como brincadeira, no começo da adolescencia, ouvimos e repetimos a todo instante que somos metade, que estamos à procura de alguém que nos complete e é tão massificante e ao mesmo tempo tão sutil, que não nos tocamos de que isso não é verdade.
          Ou que, pelo menos, não deveria ser verdade.

          Se você, como eu, comprou e viveu esta mentira por toda a tua vida, pare e repense a tua vida.

          Uma fusão de 2 inteiros é melhor do que a junção de duas metades.

          "Poeticamente" diz-se que é lindo juntar 2 metades e formar um novo... novo... novo...
          novo o quê, mesmo?


           Mas, sinceramente, não vejo nada de lindo em imaginar metades de corpos, almas, espíritos zanzando por ai, a procura de suporte para ser alguém.

           Mas, vejo, sim, muita beleza em 2 seres que se auto-conhecem e resolvem abrir suas vidas para receberem um outro alguém, pessoas que estejam conscientes dos objetivos que pretendem atingir, e que nunca é fácil construir uma vida a dois, mas que, depois de analisarem todos os prós e contras, todo custo-risco-beneficio, chegaram à conclusão de que vale a pena passar por todos os percalços que a vida sempre coloca em nosso caminho.

           Como já disse antes a fusão de 2 inteiros é infinitamente melhor do que a junção de duas metades.
           É muito mais forte. E as chances de sucesso são muito maiores.

           Como se tornar 1 inteiro?
           Pare de olhar em volta à procura de alguém que te complete e comece a olhar para dentro de si mesmo a procura de alguém único e totalmente especial: VOCÊ MESMO(A).

           Descubra quem você é, quais são os seus gostos, as suas esperanças, as suas qualidades, que sempre são neutras, somos nós, reagindo às circuntancias, que transformamos nossas qualidades em ruins ou boas, em qualidades ou defeitos.    
          Descubra as tuas potencialidades, porque só sabendo aquilo que você é capaz de fazer, você será capaz de realizar. 
         E poderá investir, com muita segurança, correndo o mínimo de riscos. Riscos sempre existem, mas com planejamento e conhecimento, podemos minimizá-los e transformar possíveis desastres em historias de sucesso duradouros, do tipo: "Felizes para sempre, até que a morte nos separem. Ou quem sabe, além da morte." 
            Afinal, filhos, netos e bisnetos realizados não surgem do acaso, não são geração expontanea, alguém plantou!!!!!!

            Quem se ama, brilha, se ilumina e a luz atrai olhares.

           "O segredo é não correr atrás das borboletas... é cuidar do jardim para que elas venham até você."
                                        Mario Quintana

           Uma vez, perguntaram a Jesus qual era o amior mandamento. Ele respondeu:

           "Amarás o Senhor teu Deus, de todo coração...
           o segundo, semelhante a este, é: amarás ao teu próximo como A TI MESMO."
                                        Mateus 22:37-39

           Pare de olhar para o outro como se ele fosse o teu espelho. Olhe-se no espelho à procura de você mesmo.
           O segundo mandamento é duplo e podemos dizer, sem errar, que o segundo mandamento é: "amarás a ti mesmo", seguido de "amarás ao teu próximo com a mesma intensidade que você se ama".
           Mas se você não se ama, como amará a alguém?

                                         Gisele Fiaux

Print Friendly and PDF

14 comentários:

  1. Nem precisa falar muita coisa, pois deixou muito bem explicado em sua postagem suas opiniões.
    Sabe, eu acredito em relações que duram para sempre porque eram para durar e também sei daquelas que duram não tanto assim porque eram para ser assim.
    Conheço pessoas que tentaram de tudo e mesmo assim não deu certo e de outras que seguem o curso natural das coisas sem nada fazerem e tem relações eternas.
    Sei também que há dias em que somos um belo suco, todo doce e n'outros somo todo o bagaço seco daquele suco que éramos no dia anterior.
    Esta é a VIDA e seus mistérios das relações a dois...
    Abraços, minha amiga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. :l É verdade, minha querida.
      Mas os pontos de vista a respeito do assunto são tão diversos, quanto o são os habitantes deste nosso lindo planeta. Por isso, ainda sou a favor de examinarmos tudo e retermos o que é bom. Existem aquelas relações que têm tudo para dar certo e dão errado. E existem aquelas que têm tudo para dar errado e dão certo.
      Assim como os ntos.
      Mas uma coisa me preocupa e é isso que quero enfatizar, apesar de que posso ter fugido deste foco. É o fato da maioria deixar de lutar pela sua propria felicidade e, consequentemente, pela felicidade do outro, porque ficou muito fácil se separar. O "eterno enquanto dure" é até muito bom, mas tem o seu preço.
      Tenho passado muitos anos observando comportamentos e o que percebo é muita gente que introjetou a ideia de que é metade, e por isso, tem que se contentar com o que a vida lher der, já que não merece mais.
      Quando você tem a certeza de que é um inteiro, naqueles dias em que você se sente um bagaço, você relaxa e espera passar esta fase, porque você sabe que é transitoria. E no dia seguinte ou na semana seguinte você ressurge mais poderosa e linda do que nunca, porque você se conhece e se deu a chance de ser "bagaço", você permitiu teu corpo e espírito elimibassem naturalmente aquilo que estava te "espremendo".
      Percebeu a diferença?
      Um grande beijo, querida e obrigada por enriquecer meu texto.:l

      Excluir
  2. Gi, eu li a sua materia, mas hoje não quero nem comentar a respeito, pq estou sofrendo com os danos psicologicos profundos que minha filha está passando, por conta de um pai e uma familia doente.

    *************

    Garota esperta! Voce notou que cada estrofe de minha poesia tinha a ver com a imagem. E... já que é sensivel, foi assim: recebi uma visita da Escocia. Curiosa fui procurar onde era o lugar... fiquei tao encantada com a beleza, que trouxe 3 imagens e voei... voei... voei... em segundos. Eu fiz a poesia em 5 minutos!

    Beijos e otima semana para voce.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, minha querida. Lamento por você e por tua filha. Sei muito bem o que é isso. Já passei por isso e minhas filhas quase tiveram paralisia emocional. Precisei mudar de cidade, para que as dores delas passassem. Força, fé e muito amor. São os ingredientes para teu sucesso.
      A Escócia também me fascina, rsrsrs.
      Pois é, deixe teus sentimentos fluírem e tudo vai dar certo.Bjs.

      Excluir
  3. Gisele! Te respondi lá no meu blog e achei que o comentário cabe perfeitamente ao seu texto, belo texto! aí vai:
    O que digo sempre é que antes de investir em um relacionamento a dois é preciso saber para onde quer ir. A maioria aguarda o grande amor para só então, decidir. E aí... Expectativa e frustração andam quase sempre de mãos dadas. É preciso aprender a fazer escolhas pessoais para conseguir, na vida a dois, acertar qual a hora de recuar e qual a hora de avançar, sem nunca lesar e nem se sentir lesado. Isso só é possível quando se é dono de suas emoções e sabe o quanto de concessões é possível fazer sem correr o risco de perder-se de si mesma. Enfim, o sucesso da vida a dois, depende antes de tudo de uma cura pessoal. Estando pronto, você não precisa de... Você apenas quer bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente isso, querida Marcela.
      Quando nos conformamos em ser metades e projetamos a nossa felicidade em alguém que nem tem rosto para nós, estamos agindo como "anoréxicos emocionais". Ou seja, olhamos no espelho e temos uma visão deturpada de nós mesmos. E, se não conseguimos enxergar a nós mesmos, como conseguiremos enxergar o outro? Corremos o risco de virarmos esponjas emocionais, sugando o outro, sem dar nada em troca, já que não temos nada para dar.
      E o pior de tudo é que a dor anestesia e tolda a nossa visão.
      Valeu, querida. Passarei lá no teu blog.
      Bjs.

      Excluir
  4. Querida Gisele. Anjo amigo nem um dos dois. Não nasci para fazer-me de coitadinha. Nunca deixarei que pensem isso de mim que gosto de ser testada, vê o limite e dou um basta na hora no relacionamento. Agora não fazer isso é ser boba e gosto de manter tudo controlada, se não der certo até logo e fora. Certas pessoas são sem escrúpulos, pois não notar o quanto está sendo ridículo é de dá pena, ficar por causa de não ter uma solução é inventar desculpa esfarrapada, pois sempre arranjamos quando queremos e por que não sair de um casamento falido procurar ser feliz enfrentando os obstáculos que por ventura surgirá. É pagar e ver o resultado se quiser sair desta de cabeça erguida, mas também não é tão fácil assim tem que ter pulso. Beijos anjo querido e estava com muita de saudade de ti.Com carinho no coração desejo-te uma bela manhã. Beijos doces. Kaoma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Kaoma.
      Que bom que você é muito bem resolvida! Mas, assim como existem os anoréxicos, que têm uma visão deturpada de seus próprios corpos, também existem aqueles que têm uma visão deturpada de si mesmos, emocionalmente falando. E é por isso que estamos todas trocando experiências.
      Valeu, minha querida. com certeza tuas palavras completam o texto.

      Bjs.

      Excluir
  5. Vim prestigiar teu blogue,Gisa!
    Acredito que relacionamentos são os mais difíceis desafios que enfrentamos ao longo da vida... Seja com os pais, irmãos, companheiros, filhos, colegas de trabalho...
    Ambos devem ceder, para que a convivencia não se torne insuportável.
    Você disse bem: cada um deve gostar primeiro de si mesmo, para depois gostar do outro...
    Ótimo texto para reflexão!
    Meu carinho,
    Yolanda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu estou muito feliz com a tua presença, minha querida amiga.
      Muito obrigada pelo teu carinho.
      É verdade, sim. Temos que ter consciência de nós mesmos e de tudo que temos e podemos ofertar.
      Se não enxergamos a nós mesmos, certamente não conseguiremos enxergar o outro.
      Valeu, querida, pela visita e participação.
      Bjs.:l

      Excluir
  6. Querida Gisele, muito bacana seu texto. Ele traz à tona reflexões muito importantes. Hoje se tem visto modismos de tudo quanto é jeito, e paramos de reletir sobre coisas valiosas. A família é muito importante na vida de cada pessoa, pra ser vista com tanto descaso, como vem ultimamente acontecendo.
    Parabéns, Gisele!

    LeMar :n

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, meu querido LeMarc, por tua visita, carinho e por tuas palavras. Você fez uma colocação certeira "modismos". E como todo modismo, muita gente assimila apenas porque é moda, sem ter convicção nenhuma do que está fazendo ou, pior ainda, tendo convicção de que está errando, mas faz porque é moda...
      E a autoestima está tão baixa, que nem percebem o quanto se perde nestes modismos.
      Valeu! Obrigada mais uma vez, bjs.

      Excluir
  7. Olá Gisele!

    Unir metades, parece algo franksteiniano. Juntar inteiros é somar e multiplicar. Como canta Beto Guedes: "Um mais um é sempre mais que dois".

    Um abração e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí, meu querido.
      Beto Guedes e você sintetizaram tudo.
      Tomara que mais e mais pessoas se toquem disso.

      Assim, elas mesmas serão mais felizes e, consequentemente, o mundo também.

      Muito obrigada pela visita, pelo comentário e tenha um grande fim de semana.
      Abraços mil.

      Excluir