07/10/2010

Segundo turno

                "É possível contar um monte de mentiras dizendo só a verdade!"
                                                                         Folha de São Paulo





               "Para o triunfo de mal, basta que os bons não façam nada."
                                                                    Edmund Burke


               Confesso que fiquei em dúvida se postava novamente o texto que escrevi antes do primeiro turno, mas creio realmente que "para o triunfo do mal, basta que os bons não façam nada". Não quero ter uma ex-guerrilheira como presidente do meu pais. Não quero ver o meu povo esmolando "bolsa-disto",  "bolsa-daquilo", esmolando escolas de qualidade, quando até o mais pobre do  nosso povo paga altos impostos em tudo o que (não) consome. Nosso povo não precisa das esmolas destes programas assistenciais(?) que só servem aos interesses dos políticos que os criaram. 
                Sou a favor, sim de programas profundos que, em um primeiro momento matem a fome do povo, mas que tenham suporte para levar o povo a realmente melhorar de vida, porque o povo brasileiro é extremamente criativo e trabalhador, mas está cansado e quando tem acesso à estes programas ilusorios e mal ajambrados, se acomodam, por pura falta de perspectivas. Leiam o exemplo abaixo, retirado do blog Dicas da Pukka:
               
"É INACREDITÁVEL – B I Z A R R O - ABSURDO - MAS É O “NOSSO BRASIL”!
Aconteceu no Ceará!
Curso para 500 mulheres.
Como o setor têxtil é de vital importância para a economia do Ceará, a demanda por mão de obra na indústria têxtil é imensa e precisa ser constantemente formada e preparada. 
Diante disso, o Sinditêxtil fechou um acordo com o Governo para coordenar um curso de formação de costureiras. 
O governo exigiu que o curso devesse atender a um grupo de 500 mulheres que recebem o Bolsa Família. De novo: só para aquelas que recebem o Bolsa Família.
O importante acordo foi fechado dentro das seguintes atribuições: o Governo entrou com o recurso; o SENAI com a formação das costureiras, através de um curso de 120 horas/aula; e o Sinditêxtil, com o compromisso de enviar o cadastro das formadas às inúmeras indústrias do setor, que dariam emprego às novas costureiras. 
Pela carência de mão obra, a idéia não poderia ser melhor. 
Pois bem. O curso foi concluído recentemente e, com isso, os cadastros das costureiras formadas foram enviados para as empresas, que se prontificaram em fazer as contratações.
E foi nessa hora que a porca torceu o rabo, gente. Anotem aí: o número de contratações foi ZERO. Entenderam bem? ZERO!
Enquanto ouvia o relato, até imaginei que o número poderia ser baixo, mas o fato é que não houve uma contratação sequer. ZERO.
Sem nenhum exagero. O motivo? 
Simples, embora triste e muito lamentável, como afirma com dó, o diretor do Sinditêxtil: todas as costureiras, por estarem incluídas no Bolsa Família, se negaram a trabalhar com carteira assinada. Para todas as 500 costureiras que fizeram o curso, o Bolsa Família é um benefício que não pode ser perdido. 
É para sempre. Nenhuma admite perder o subsídio 
SEM NEGÓCIO. 
Repito: de forma uníssona, a condição imposta pelas 500 formadas é de que não se negocia a perda do Bolsa Família. Para trabalhar como costureira, só recebendo por fora, na informalidade. Como as empresas se negaram, nenhuma costureira foi aproveitada.
Casos idênticos do mesmo horror estão se multiplicando em vários setores. 
QUEM ESTÁ CRIANDO ELEITORES DE CABRESTO, COMPRADOS ATÉ EM SUA DIGNIDADE, RECUSANDO-SE A TRABALHAR PELO SEU SUSTENTO?

E QUEM PAGA O PATO TODO MÊS 27,5 %?     


SE VOCÊ É UM BRASILEIRO DE BOM SENSO, ENTÃO REPASSE POR FAVOR".
              Com o estômago colado nas costas realmente ninguém tem ânimo para procurar saidas para mudar de vida. Mas creio que estes programas do governo devem ter um prazo limite para as pessoas que se beneficiam dele possam buscar um emprego. Estes programas governamentais devem servir de "escada" para alcançar uma vida melhor e não de "alicerce" para a acomodação.
         É preciso matar a fome emergencial, mas ja engatilhar mecanismos para que as pessoas alcacem um novo patamar em suas vidas. Esses "bolsas-tudo" deveriam ser de no máximo 6 meses, quando muito um ano. E sempre condicionado à vontade pessoal de quem recebe, em melhorar de vida e não se escorar no governo. Isso é devolver a dignidade ao povo. Não é favor, não, nós ja pagamos por estes serviços, cada vez que tomamos um cafezinho e comemeos um simples pão.
         Minha candidata cresceu muito, mas não chegou ao segundo turno. Infelismente. mas, uma coisa eu sei: não quero a continuação deste desgoverno que está ai.
                 Minha sugestão? Por favor, releia o texto: "O que é que eu posso fazer?".
                Ele esta visível ai embaixo, mas por via das dúvidas, coloquei um link ai no título.
               Vamos mudar este pais para melhor. Chega de assistencialismo com segundas, terceiras e quartas intenções, que nunca são a favor do povo.
                                  
                                             Gisele Fiaux e Pukka


Print Friendly and PDF

Nenhum comentário:

Postar um comentário